sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

Homem julgado por feminicídio é condenado a 40 anos de reclusão


Eduardo Nascimento foi condenado por homicídio triplamente qualificado.
Vítima era namorada do agressor e foi assassinada com 20 facadas.

DO G1 PA


(Foto: Reprodução/TV Liberal)
Terminou na noite desta quinta-feira (2) o julgamento do primeiro caso de feminicídio do Pará. Eduardo Nascimento foi condenado a 40 anos e seis meses de prisão por ter assassinado a universitária Ingred de Kássia Israel em abril de 2015. O júri começou nesta manhã foi realizado em Ananindeua, na Região Metropolitana de Belém.



Ele foi condenado por crime triplamente qualificado devido a três agravantes. A característica de feminicídio, o motivo torpe e o fato da vítima ser incapaz de se defender.

Eduardo, que era namorado de Ingred, confessou o crime alegando legítima defesa e foi preso. A tese da defesa é de que o réu teve um surto piscótico no dia do crime, e que teria perdido a noção dos fatos por causa da discussão com a vítima.

O crime

Na época do crime a vítima tinha 28 anos. Natural de Óbidos, Ingred morava em Ananindeua para conseguir cursar a universidade. Ela foi violentada e morta com 20 facadas dentro da própria casa, no conjunto Cidade Nova 5.

O corpo da vítima foi encontrado sem roupa no chão de seu quarto, que estava revirado, e a porta dos fundos da casa estava aberta. O personal trainer Antonio Eduardo Souza Nascimento foi preso na terça-feira seguinte ao crime com a faca usada para matar a vítima.

Ele foi o primeiro réu do estado a ser enquadrado no crime de feminicídio após a alteração do artigo 121 do Código Penal, que prevê o homicídio qualificado contra a mulher por razão de gênero como crime hediondo.

Compartilhar:

0 comentários:

Postar um comentário

NOTÍCIA DA SEMANA:

Suposta aparição de Nossa Senhora impressiona moradores de Oriximiná, no PA

Foto: Reprodução/Redes Sociais Um brilho no céu em formato de Nossa Senhora movimentou o município de Oriximiná, no oeste do Pará...

PABLO VASTEI FOTOGRAFIAS

PUBLICIDADE:


PUBLICIDADE:

PUBLICIDADE:

Arquivo do blog

Solidariedade:

ACOMPANHE: